AO VIVO

Faxineira que carregava terço e bíblia no 8/1 é sentenciada por envolvimento em associação criminosa armada

Edinéia Paiva enfrenta acusações de associação criminosa armada, golpe de Estado, dano qualificado, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e deterioração de patrimônio tombado, atribuídas pelo ministro Alexandre de Moraes

Por: Leon Furtado
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Associação criminosa armada foi um dos crimes pelos quais Edinéia Paiva foi condenada a uma pena de 17 anos de prisão, por sugestão do ministro Alexandre de Moraes, em julgamento virtual no Supremo Tribunal Federal (STF). A faxineira de 38 anos, mãe de dois filhos, um de nove anos e outro de 19, foi presa segurando um terço e uma bíblia enquanto se protegia de bombas de gás durante os atos de 8 de janeiro.

Antes de ser presa, Ednéia estava embaixo da rampa do Planalto, na tentativa de se proteger das bombas de gás que eram jogadas para conter vândalos que depredavam os prédios públicos. Não era o caso dela. Quando chegou à Esplanada, logo depois de participar da missa próximo ao QG do Exército, o caos já estava instaurado. “Eu pulei a rampa e eu travei ali. Não conseguia correr. A única coisa que eu lembrei foi de me agachar e ficar ali para me proteger, porque eram muitas bombas”, relata.

“Foi onde o policial chegou, me tirou de lá a força, me arrastando pelos cabelos”, conta. Edinéia foi algemada, enquanto tinha a bolsa vasculhada, segundo ela, de forma agressiva por um policial militar do DF. “Até então, eu só estava com uma bíblia na mão e um terço”, reforça. No voto do ministro relator, Alexandre de Moraes, não há menção a nenhum tipo de arma branca encontrada com a faxineira. No documento, há apenas fotos de facas e pedaços de madeiras encontrados com outros manifestantes.

“A condenação de inocentes tem um impacto devastador na vida das pessoas que são afetadas. Ela pode perder sua liberdade, sua reputação e seu sustento e ainda trazer sofrimento para toda sua família”, considera Hélio Júnior, advogado de defesa de Edinéia. Hélio ainda afirma que não há nenhum processo criminal no histórico dela.

Longe de casa
Nos sete meses que ficou na prisão, ela mal recebeu notícias da família. Quando chegou, encontrou um marido deprimido diante dos dias difíceis que viveu. Sem o dinheiro das faxinas de Edinéia para complementar a renda da casa, o marido se desdobrou fazendo entregas pelo iFood nos horários em que não estava no emprego formal, em uma metalúrgica. A irmã também ajudou, fazendo uma rifa com os amigos para ajudar o cunhado a pagar as contas que estavam ficando atrasadas.

A filha contou com o apoio do corpo docente da escola. Durante meses, a menina passava a aula chorando muito. O diretor da escola deu passe livre para que ela fosse à sala dele sempre que sentisse necessidade de conversar. Antes disso, a garota estudava em uma escola municipal, mas com medo da doutrinação ideológica que Edinéia via, decidiu trabalhar mais para colocar a menina em uma escola particular. Só pelo amparo recebido, segundo ela, já valeu a pena o esforço dos pais em pagar as mensalidades escolares.

“Eu tinha medo, né? Eu fui porque minha filha tem nove anos e eu quero um futuro bom. Eu tinha medo da esquerda entrar e fazer isso aí que está fazendo”, responde ao ser questionada sobre qual motivo a levou a frequentar às atividades do QG em Americana, cidade que mora localizada no interior de São Paulo. Sempre, após o trabalho, ela saía para encontrar o grupo. Foi aí que decidiu vir para Brasília participar das manifestações pacíficas que iriam acontecer em prol do ex-presidente Jair Bolsonaro.

De tornozeleira eletrônica, voltou a fazer diárias de faxina. Com o tempo na prisão, perdeu clientes que já tinham feito novas contratações, mas que a indicaram para outras pessoas.

À procura de ajuda psicológica
Quando falou com a Gazeta do Povo, faltavam poucas horas para terminar o julgamento e Edinéia se dizia apreensiva com o que o futuro. “A condenação já está aí. É um fato. Estou esperando o mover de Deus, porque eu não fiz nada. Até então, se manifestar não é crime. Pelo menos não era”, diz. Ela complementa questionando “eu fico me perguntando quantas manifestações tiveram com mortes em outras épocas e ninguém foi preso”.

A mãe, que mora no interior do Paraná e trabalha no campo, ainda não sabe da situação da filha. Isso porque sofre de hipertensão e problemas no coração. Edinéia tem medo que o impacto da notícia possa piorar a saúde da mãe. “Ela está cheia de planos querendo vir me visitar no final do ano, mas ela nem sabe de nada. Ela pergunta e eu desconverso”, confessa.

“Ele [Alexandre de Moraes] está me dando 17 anos e eu fico me perguntando o porquê. Porque eu não matei ninguém, não roubei, não fiz nada. Nem quem mata recebe uma pena dessa”, se indigna. Ela está procurando uma psicóloga para receber suporte para enfrentar a grande possibilidade que tem de voltar a um presídio.

Como votou cada ministro
Associação criminosa armada, golpe de Estado, dano qualificado, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e deterioração de patrimônio tombado são os crimes atribuídos por Alexandre de Moraes a Edinéia. Ela também foi condenada a dividir com outros condenados o pagamento de R$ 30 milhões por danos morais coletivos.

Para o ministro, o “direito constitucional de manifestação jamais poderia ser confundido com evidente adesão a uma atuação criminosa, que envolvia violência e vandalismo extremo contra o patrimônio público, além de clamor por intervenção militar e queda do governo eleito”.[

*Com informações de Gazeta do Povo

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

25/03
11:15

AFASTAMENTO DE SECRETÁRIO

O vereador Capitão Carpê utilizou a tribuna nesta segunda-feira (25) para solicitar ao prefeito David Almeida o afastamento do Secretário de Comunicação do município, Israel Conte. Carpê se baseia no fato de que o motorista do portal O Abutre confirmou à polícia o recebimento de dinheiro em espécie na prefeitura durante seu depoimento.

20/03
20:29

RAIFF NO UNIÃO

O vereador Raiff Matos (Democracia Cristã) deverá mudar de partido nos próximos dias. O parlamentar, que integra a base conservadora da Câmara Municipal de Manaus (CMM), está prestes a se juntar às fileiras do União Brasil. A confirmação foi feita na manhã desta terça-feira (19) à reportagem do site O Poder.com pelo vereador Diego Afonso (UB), líder da bancada na Câmara Municipal.

20/03
11:45

FAUSTO JR. NA CMM

Na manhã desta terça-feira (19), o deputado federal licenciado e atual secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano, Fausto Júnior, esteve visitando a Câmara Municipal de Manaus, onde cumprimentou os vereadores. Após saudar os parlamentares, Fausto se reuniu a portas fechadas com o vereador Diego Afonso (UB). Questionado pela reportagem do site O Poder.com sobre a motivação da visita à câmara, o deputado afirmou que se tratava apenas de uma visita de “cortesia”.

13/03
11:21

BELÃO NO COMANDO

Cotado para concorrer à prefeitura de Fonte Boa nas Eleições de 2024, o ex-deputado estadual Belarmino Lins, mais conhecido como ‘Belão’, assumiu o comando do diretório do partido União Brasil naquele município. Belão, após 32 anos de vida pública e oito mandatos consecutivos na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), decidiu abandonar a política, mas agora almeja a prefeitura de Fonte Boa.

05/03
16:31

REPRESENTANDO A DIREITA

Depois que o prefeito David Almeida (Avante) afirmou que continuaria em seu partido e não ingressaria mais no Partido Liberal (PL), apesar das tentativas com os caciques regional e nacional da sigla, Alfredo Nascimento e Valdemar da Costa Neto, o pré-candidato do partido em Manaus, o deputado federal Capitão Alberto Neto, intensificou sua pré-campanha nas redes sociais. Um card com a imagem de Alberto Neto e do ex-presidente Jair Bolsonaro, acompanhado da mensagem “Estou preparado para Manaus”, passou a circular.

Ver mais >>

Programas