AO VIVO

Governo cria secretaria que irá desenvolver ‘Escola na Floresta’; Therezinha Ruiz é a titular

O Amazonas ganhou uma nova secretaria que irá fomentar a educação indígena; A titular, a ex-deputada estadual Therezinha Ruiz, detalha os projetos ao site O Poder

Por: Thiago Gonçalves
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

O Amazonas ganhou uma nova secretaria que irá fomentar a educação indígena. Trata-se do programa “Escola na Floresta”. A professora e ex-deputada estadual Therezinha Ruiz é quem vai gerir esta nova pasta. Ela foi nomeada pelo governador Wilson Lima para executar a missão e assinou termo de posse nesta quarta-feira (30).

Na noite desta quarta-feira, Therezinha Ruiz deu detalhes sobre os projetos em andamento ao site O Poder. De acordo com ela, o projeto da “Escola na Floresta” projeta, inclusive, a construção de 6 escolas indígenas dentro de comunidades indígenas em área ribeirinha ou rural no estado, além de uma unidade de ensino flutuante, com sustentabilidade ambiental.

“Nós estamos com um programa muito ousado, nós já temos a nossa carta aprovada para 2024, nós iremos trabalhar para construir onze escolas de tempo integral, mas o grande projeto é a “Escola na Floresta”, onde serão contruídas unidades de ensino em áreas de preservação ambiental, com sustentabilidade total, sempre dentro de uma unidade de conservação onde tenha como característica além do ensino formal, também o ensino voltado para aquela área econômica do local e para a comunidade. Serão seis escolas indígenas dentro das comunidades indígenas não na área urbana e sim na área ribeirinha ou rural, e uma escola flutuante que já incluímos no projeto.”, revelou ao site O Poder.

Conforme a secretária, a dotação orcamentária chega a 100 mihões de dólares, tendo como fonte recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e dos cofres do estado do Amazonas. O projeto para a formação indígena é o grande destaque.

“Vamos trabalhar também a ampliação do Centro de Mídias de Educação do Amazonas e trabalhar a conectividade, a formação indígena e a formação de todos os professores da rede. Então é um projeto amplo que corresponde a cem milhões de dólares, oitenta milhões do BID e vinte milhões do estado, dos cofres estaduais, cofres públicos do Estado. Então graças a Deus que a gente com a experiência temos avançado muito. O BID tem estado em Manaus mensalmente e assim está agora em fase de avaliação de documentação.”, relatou.

Therezinha Ruiz foi nomeada pelo governador Wilson Lima para ser secretária geral da UG Padeam 2, com o status de secretaria e com independência. 

Em fevereiro deste ano, Ruiz, que não conseguiu a reeleição de deputada estadual em 2022, havia sido nomeada como coordenadora executiva da Unidade de Gerenciamento do Programa de Aceleração do Desenvolvimento da Educação do Amazonas (UGP-Padeam), que agora recebeu status de secretaria. Até então, o órgão era vinculado à Secretaria de Educação do Amazonas (Seduc).

É proibida a reprodução deste conteúdo.

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

11/07
12:33

REUNIÕES SECRETAS

Executivos da Âmbar Energia, ligada ao Grupo J&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista, realizaram secretamente 17 reuniões com autoridades do Ministério de Minas e Energia entre junho de 2023 e maio de 2024, sem registro oficial. Essas reuniões precederam a assinatura de uma medida provisória pelo presidente Lula em 13 de junho, beneficiando um negócio da Âmbar na energia elétrica, cujo custo será repassado aos consumidores por até 15 anos. O Ministério e a Âmbar negam que as reuniões tenham discutido a medida, mas não divulgaram os temas tratados. Críticas à falta de transparência foram levantadas, especialmente pela deputada Adriana Ventura (Novo-SP).

11/07
12:32

FRACA ARTICULAÇÃO

A aprovação da reforma tributária na Câmara revelou a fraca articulação dos senadores Eduardo Braga e Omar Aziz, que deixaram de incluir a maioria das propostas do Amazonas para a Zona Franca de Manaus (ZFM). O texto foi aprovado por 336 votos a favor e 142 contra. Foram incluídas apenas contribuições para financiar a UEA e fundos de desenvolvimento, além de crédito presumido para indústrias. Alterações cruciais, como a inclusão do IPI e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas. Os parlamentares precisarão trabalhar mais eficientemente no Senado.

11/07
12:31

SILAS CONTRA

A Câmara dos Deputados aprovou o primeiro projeto de regulamentação da reforma tributária com 336 votos a favor, 142 contra e duas abstenções. A maioria dos deputados do Amazonas votou contra devido aos impactos negativos na Zona Franca de Manaus (ZFM), com exceção de Silas Câmara (Republicanos-AM), que apoiou o projeto. Pauderney Avelino (União-AM) criticou a redução do crédito presumido e a falta de alíquota zero para operações internas, alertando sobre o aumento dos preços e a diminuição da competitividade no Amazonas. O próximo desafio será no Senado Federal.

11/07
12:30

DITADURA DA NICARÁGUA

A ditadura de Ortega na Nicarágua fechou a Radio María e mais 12 ONGs, totalizando 3,6 mil entidades fechadas em seis anos. A ministra do Interior, Maria Amelia Coronel, justificou o fechamento da rádio pela falta de demonstrações financeiras de 2019 a 2023. Ortega continua a perseguir a Igreja Católica, expulsando e detendo padres, e cancelando a cidadania de líderes religiosos, forçando-os ao exílio.

11/07
12:29

DEFESA DA ZFM

Wilson Lima, governador do Amazonas, promete lutar incansavelmente pela competitividade da Zona Franca de Manaus (ZFM) após a votação na Câmara dos Deputados que prejudicou o estado. Ele criticou a exclusão de emendas cruciais para o modelo econômico, enquanto duas sugestões foram aceitas, incluindo contribuições para financiar a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e fundos de desenvolvimento, além de créditos presumidos para indústrias. Alterações solicitadas, como a inclusão do IPI para produtos aprovados pela Suframa e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas.

Ver mais >>

Programas