AO VIVO
Executivo - 27 de fevereiro de 2023
Foto:

Comentários em redes sociais de órgãos federais são bloqueados

Entre os órgãos estão o Exército, Itamaraty e a Caixa

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

PAÍS |

Órgãos do governo federal, incluindo ministérios, autarquias e até mesmo as Forças Armadas, bloquearam os comentários de internautas nas redes sociais. Cada órgão adotou maneiras diferentes de lidar com a interação popular. Alguns fecharam completamente os comentários nas redes sociais mais populares, como Twitter, Instagram e Facebook, e as restrições vêm desde 2022.

Um levantamento feito pelo site Metrópoles identificou ao menos 11 órgãos ligados ao governo federal que não aceitam mais comentários. Entre os órgãos estão o Exército, a Polícia Federal, o Ministério das Relações Exteriores e a Caixa Econômica Federal.

Ainda segundo o site, em alguns casos, a restrição começou ainda no governo de Jair Bolsonaro, mas na maioria dos órgãos a restrição começou nas semanas seguintes à posse do presidente Lula.

No caso do Exército, os perfis nas três redes sociais foram fechados entre novembro e janeiro; no Twitter, em todas as postagens recentes aparece a mensagem que somente “as pessoas mencionadas” podem responder às postagens.

Já os perfis da Marinha e da Aeronáutica seguem com os comentários abertos. Nesta última postagem da Marinha, em 25 de fevereiro, já há mais de 200 comentários, muitos deles em tom crítico.

As Forças Armadas foram alvos de muitas críticas depois das eleições, já que manifestantes contrários à vitória de Lula ficaram acampados em frente aos quartéis do Exército pedindo intervenção.

A Polícia Federal, muito criticada por efetuar prisões em massa dos manifestantes após a invasão dos prédios da Praça dos Três Poderes, em 8 de janeiro, também restringiu os comentários em seus perfis de todas as redes no último dia 22 de janeiro. Porém, nesta segunda-feira, 27, os comentários estão novamente habilitados no Twitter.

Os perfis do Ministério das Relações Exteriores nas redes sociais também estão fechados, há praticamente um ano, desde fevereiro de 2022, quando o órgão fez uma postagem sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia. A interação foi bloqueada depois de um comentário crítico e permanece fechada desde então, como se vê no post mais recente do Itamaraty.

Ao Metrópoles, o Ministério das Relações Exteriores informou que dispõe de canais alternativos para o recebimento de comentários por parte de cidadãos, como a Ouvidoria do Serviço Exterior, mas não comentou as razões do bloqueio dos comentários.

No caso da Caixa Econômica, os perfis do banco seguem com a interação fechada. Já o Banco do Brasil mantém os comentários abertos. A Caixa fechou os perfis desde junho, alegando, então, que uma interpretação da legislação eleitoral recomendava a suspensão dos comentários. Porém, até agora permanecem fechados.

“Em atendimento à legislação eleitoral, os comentários dos perfis da Caixa e Loterias Caixa nas redes sociais permanecerão desabilitados até o final das eleições”, afirmou a Caixa, à época. Agora, o banco informou que o bloqueio dos comentários se deu em razão de ajustes operacionais de sistemas de atendimento nas plataformas e que não há previsão de retorno.

Com informações de Pleno News*
Foto: Divulgação

#GOVERNO bloqueados redes sociais comentários

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

18/07
14:40

CUSTA PROCESSUAIS

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) fixou uma tese em um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) sobre o recolhimento de custas processuais para citação em processos judiciais. A tese estabelece que a falta de pagamento das custas necessárias à citação configura ausência de pressuposto para o desenvolvimento regular do processo, permitindo sua extinção caso não haja regularização dentro do prazo estabelecido, sem necessidade de prévia intimação pessoal do autor. A decisão visa uniformizar o entendimento e garantir a segurança jurídica no TJAM.

18/07
14:38

PROJETO DE DÉBORA

A deputada estadual Débora Menezes apresentou o Projeto de Lei 372/2024 para fixar o critério do sexo biológico em testes físicos ou práticos de concursos públicos no Amazonas, visando garantir o princípio da isonomia. Segundo a proposta, os candidatos competiriam apenas com pessoas do mesmo sexo biológico nessas etapas, mantendo a concorrência justa sem interferir nas provas teóricas. Débora argumenta que isso preservaria a integridade das competições e evitaria desigualdades decorrentes de diferenças fisiológicas entre homens e mulheres.

18/07
14:37

“ESCOLA DA FLORESTA”

Nesta terça-feira, o governador Wilson Lima inaugurou a primeira Escola da Floresta do Brasil na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, no interior do estado. A escola adota um conceito de sustentabilidade integral e um currículo inovador focado em educação ambiental. Lima enfatizou a importância de cuidar das comunidades locais para proteger a Amazônia, destacando a iniciativa como um modelo inspirador de desenvolvimento sustentável e educação integrada à conservação ambiental.

18/07
14:36

AUXÍLIO DO GOVERNO

O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou nesta terça-feira, o valor de R$ 30 mil como auxílio para reposição de moradias de cada uma das 18 famílias afetadas por um incêndio de grandes proporções no município de Nhamundá, no interior do estado. O sinistro, ocorrido na madrugada de segunda-feira, atingiu 14 residências e deixou 69 pessoas desabrigadas. O auxílio será pago por meio do programa Amazonas Meu Lar.

17/07
13:33

FOMENTO

O governador Wilson Lima assinou um protocolo de intenções com o Banco da Amazônia para impulsionar o setor primário e o empreendedorismo no Amazonas, com investimentos previstos de R$ 1,4 bilhão do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A iniciativa reforça o compromisso do governo com o desenvolvimento sustentável do estado, focando no apoio à agricultura familiar e outros setores produtivos.

Ver mais >>

Programas