AO VIVO

Marcha: população de Manaus se une em defesa da vida e contra descriminalização do aborto no STF

Mobilização contra a descriminalização do aborto até 12 semanas luta contra ativismo judicial do STF

Por: Leon Furtado
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Uma mobilização denominada ‘Marcha da Família Contra o Aborto pela Vida’ tomou conta das ruas do Centro histórico de Manaus, neste domingo (08). A concentração das pessoas ocorreu na Praça do Congresso e caminhou até o Largo de São Sebastião. A mobilização é uma resposta à arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 442, movida pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que visa descriminalizar o aborto até a 12ª semana de gravidez e que se encontra em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF). O movimento ganhou adeptos por todo o país e contou com a participação da deputada estadual Débora Menezes (PL) e do vereador Raiff Matos (PSDC).

O ativismo judicial se refere à prática de os juízes interpretarem a Constituição e as leis de forma a influenciar a política e a sociedade de maneira mais ampla. Segundo Menezes, questões políticas como a descriminalização do aborto devem ser debatidas e decididas pelo poder legislativo, onde os representantes eleitos pelo povo têm a responsabilidade de tomar decisões políticas, além de garantir a participação e envolvimento coletivo.

“Nós combatemos o ativismo judicial que tem se instalado hoje aqui no Supremo. E a gente sabe que a rua tem um poder muito grande de demonstrar que todos nós, como população, elegemos representantes e que isso deve ser discutido nas casas legislativas e não no Supremo Tribunal Federal com essa ADPF”, enfatizou.

O vereador Raiff Matos (PSDC) destacou mensagens de conservadorismo cristão e a importância da participação da população na pressão ao STF. “É um recado que a gente manda pra todo o Brasil, principalmente para o STF, o povo diz sim à vida e não ao aborto”, declarou.

Apoiadores

A marcha contou com pessoas trajadas de roupas brancas, com placas contra o aborto, que cantaram músicas religiosas e portaram muitas bandeiras do Brasil. A assistente pessoal, Vanessa Stone, lamentou a injustiça contra as mulheres que sofrem para engravidar e ressaltou que a ADPF não deve ser aprovada sem passar por debates e votações no poder legislativo, onde os representantes eleitos poderão analisá-la.

“Desde a promulgação da Constituição, temos defendido consistentemente a importância do processo legislativo. Nossa luta atual concentra-se em garantir que a DPS 442 não seja aprovada sem passar pelo devido processo democrático, sem o escrutínio e o voto de nossos representantes eleitos. Essa questão está sendo encaminhada diretamente ao Supremo Tribunal Federal, e estamos aqui para representar os interesses daqueles que não têm voz nesta questão – os bebês que ainda não podem se expressar”, explicou.

O administrador Moisés Rodrigues expressou sua satisfação em apoiar a mensagem do Dia do Nascituro e enfatizou a relevância de assegurar os direitos daqueles que ainda não têm a capacidade de lutar por si mesmos.

“Me sinto feliz por estar aqui representando o povo que acredita na vida e que entende que podemos exigir nossos direitos, especialmente os direitos daqueles que não podem se defender, como o nascituro e o feto. Estamos unidos com toda essa população lutando pelo direito das crianças, do nascituro, do feto e, acima de tudo, pelo direito à vida”, declarou.

A ADPF 442

O tema tem gerado intenso debate entre a população brasileira, principalmente entre a ala conservadora e progressista, após o STF retomar o julgamento, que começou na madrugada do dia 22, sobre a descriminalização do aborto feito com até 12 semanas de gestação.

Porém, após o pedido do ministro Luís Roberto Barroso para que o julgamento fosse levado ao plenário físico, a ação está suspensa e sem data prevista para retomar a discussão. A situação atual consta apenas com o voto da ministra Rosa Weber, relatora da ação, que se posicionou a favor.

Caso aprovado, grávidas e médicos que realizaram o aborto clandestino não poderão ser processados e punidos. Entretanto, não implica que o procedimento passará a ser oferecido ao Sistema Único de Saúde (SUS) ou agregado à legislação.

No Brasil, o aborto só é permitido através dos critérios conjeturado no Aborto Legal, previsto no artigo n° 128 do Decreto de Lei nº 2.848, que permite que a gestante realize o procedimento de interrupção da gravidez em três situações: quando a gestação é decorrente de estupro, em casos de anencefalia do feto ou quando há risco à  vida da mulher.

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

19/07
11:43

LÍDER EM BELÉM

O deputado federal Delegado Éder Mauro (PL-PA) lidera as intenções de voto para a Prefeitura de Belém, segundo pesquisa do Instituto Paraná divulgada em 16/7. Ele registra 30,7% de apoio, com uma vantagem de 12,5 pontos percentuais sobre o segundo colocado, o deputado estadual Igor Normando (MDB), que tem 18,2%. O atual prefeito, Edmilson Rodrigues (PSOL), está em terceiro com 13,8%. A pesquisa entrevistou 710 pessoas entre 12 e 15 de julho, com margem de erro de 3,8 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.

19/07
11:42

REUNIÃO NO TRE

Na quarta-feira (17), o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) conduziu uma reunião com institutos de pesquisa e partidos políticos para discutir transparência nas eleições municipais. Presidida pelo desembargador João Simões e coordenada pelo juiz Marcelo Vieira, a sessão abordou questões sobre a condução justa e transparente do processo eleitoral, com ênfase na conformidade com as normas eleitorais por parte dos institutos de pesquisa. No entanto, a reunião foi marcada por controvérsias devido a ameaças públicas feitas pelo empresário Durango Duarte, posteriormente retratadas em uma nota de desagravo.

19/07
11:40

CIRO DENUNCIADO

O ex-governador do Ceará e vice-presidente do PDT, Ciro Gomes, foi denunciado pelo Ministério Público do Ceará por violência política de gênero contra a senadora Janaína Carla Farias (PT-CE). A denúncia, aceita pela Justiça Eleitoral, refere-se a comentários depreciativos feitos por Ciro Gomes durante uma entrevista em abril deste ano. Ele insinuou que Janaína Farias ocupava um cargo de “assessora de assuntos de cama” do ministro da Educação, Camilo Santana, comparando seu trabalho a um “harém” e questionando sua capacidade política com base em seu gênero.

19/07
11:40

GAFE DE LULA

Nesta quarta-feira, durante a 5ª Conferência dos Direitos da Pessoa com Deficiência em Brasília, o presidente Lula (PT) causou controvérsia ao usar a expressão “essa gente” para se referir ao público composto por pessoas com diferentes tipos de deficiência. Lula mencionou que foi alertado pela primeira-dama Janja da Silva sobre a sensibilidade do público e a necessidade de escolher cuidadosamente suas palavras. A utilização do termo gerou críticas, com preocupações de que a expressão poderia ser interpretada como pejorativa e desrespeitosa em um contexto que promove a inclusão e o respeito aos direitos das pessoas com deficiência.

19/07
11:37

PESQUISA ELEITORAL

Uma pesquisa eleitoral divulgada hoje indica que, em um possível segundo turno para a Prefeitura de Manaus, o deputado federal Amom Mandel (Cidadania) venceria o atual prefeito David Almeida (Cidadania) com 46,20% contra 40,80% dos votos válidos. O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, Roberto Cidade (União Brasil), aparece em terceiro lugar com 12,90%, enquanto o deputado federal Alberto Neto (PL) está em quarto com 10,80%. No cenário estimulado, há um empate técnico entre David Almeida e Amom Mandel, ambos com cerca de 28%. A margem de erro da pesquisa é de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos.

 

Ver mais >>

Programas