AO VIVO
Economia - 22 de dezembro de 2023
Foto: Reprodução

Câmara aprova projeto que regula mercado de carbono

O projeto segue agora para o Senado, que anteriormente já havia aprovado uma legislação similar em outubro

Por: Leon Furtado
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

A Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (21), votou a favor de um projeto de lei crucial para a regulamentação do mercado de carbono, com 299 votos a favor e 103 contra. Esta medida é uma das ações ambientais prioritárias do atual governo liderado pelo presidente Lula. O projeto segue agora para o Senado, que anteriormente já havia aprovado uma legislação similar em outubro.

Este projeto de lei estabelece um mercado regulado de carbono, impondo limites às emissões de gases de efeito estufa pelas empresas. Elas serão obrigadas a apresentar relatórios de emissões a uma autoridade governamental. Empresas que não atenderem às metas estabelecidas poderão enfrentar penalidades, incluindo multas.

As empresas que possam emitam mais de 10 mil toneladas de carbono por ano estarão sujeitas a essas regulamentações. Os limites de emissões serão aplicados a empresas com emissões superiores a 25 mil toneladas. Para as empresas de gestão de resíduos sólidos, serão estabelecidos limites diferentes, e o setor agrícola, assim como previsto na versão aprovada pelo Senado, ficará fora do mercado regulado. O projeto mantém a proposta do governo de impor multas de até 5% do faturamento bruto da empresa em caso de não cumprimento das regras, como o atingimento de metas ou a entrega de relatórios periódicos.

Antes da votação na Câmara, a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, que representa diversos setores, incluindo o privado, financeiro, acadêmico e a sociedade civil, com mais de 350 membros, solicitou o adiamento da votação, criticando a falta de discussões detalhadas sobre o projeto nas comissões parlamentares. Desde a aprovação pelo Senado em outubro, o projeto tramitava em regime de urgência, indo diretamente para o plenário da Câmara.

Havia expectativas do governo e do presidente da Câmara, Arthur Lira, de que o projeto fosse aprovado antes da COP28, iniciada no final de novembro, o que não ocorreu. Gabriela Savian, diretora-adjunta do Ipam, parte da coalizão, defendeu um debate mais amplo sobre a proposta, enfatizando a importância de discussões em comissões parlamentares, principalmente devido às alterações realizadas no texto.

Contudo, por influência da bancada ruralista, atividades primárias do setor agrícola, como a pecuária e o cultivo de cana, poderão gerar créditos de carbono no mercado voluntário, onde um crédito representa uma tonelada de carbono que deixou de ser emitida. O relator na Câmara, Aliel Machado, propôs a inclusão do agronegócio no mercado regulado com condições especiais e um período de adaptação mais longo, mas não houve consenso. Durante a sessão, ele defendeu o projeto, afirmando que houve amplo debate e mais de 200 reuniões com diversos setores.

mercado de carbono legislação ambiental emissões de gases regulamentação brasileira debate parlamentar

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

08/02
14:52

FINANCIAMENTO PÚBLICO X PRIVADO

O deputado Adjuto Afonso (UB) comentou nesta quinta-feira, 08/02, durante o lançamento do programa de financiamento + Créditos Amazonas da AFEAM, que o governo tem facilitado muito para o microempreendedor do interior através do programa. Para o deputado, não foi surpresa o anúncio da agência ser a primeira do país em financiamento público para microempreendedores. Oriundo da calha do rio Purus, ele fala com propriedade.

01/02
11:45

VAI DE PDT

O vereador de Itacoatiara, Arnoud Lucas, que é pré-candidato à prefeitura daquele município, revelou ao site O Poder que aguardará o período da janela partidária (7 de março a 5 de abril) para sair do atual partido em que está filiado, o Partido Verde (PV), e mudar para o Partido Democrático Trabalhista (PDT). Ele afirmou que já recebeu o aval do presidente estadual da legenda no Amazonas, o ex-deputado estadual Luiz Castro, e acredita que terá no PDT-AM o suporte necessário para viabilizar o seu projeto de candidatura à prefeitura de Itacoatiara.

30/01
12:16

DISCORDÂNCIAS DE DESTERRO

Na 2ª sessão ordinária do TCE-AM em 30/01/2024, o conselheiro Érico Desterro expressou descontentamento com a mudança de postura do tribunal em relação aos pedidos de vista, lamentando a proibição de vistas para ausentes na sessão, embora tenha usado esse recurso. Apesar de concordar com a nova decisão, pediu sua aplicação uniforme. Surpreendido com a publicação de uma resolução sobre mudanças nas datas das câmaras, alegou falta de aprovação pelo pleno, solicitando revisão do procedimento. Apesar da derrota nesse tema, comprometeu-se a manter as sessões às segundas-feiras até a alteração no Regimento Interno.

29/01
12:18

ALERTA DE BOLSONARO

Em live neste domingo (28), o ex-presidente Jair Bolsonaro alertou sobre políticos que estariam considerando mudar para o PL visando vantagens nas eleições municipais, deixando claro que seu grupo político não os apoiará. Ele ressaltou a vigilância dos eleitores de direita, destacando que não serão facilmente enganados. Coronel Alfredo Menezes reforçou esse aviso, direcionando aos “espertinhos que se fingem de direita”. Ele enfatizou ainda mais a mensagem, acrescentando referência indireta ao prefeito de Manaus, David Almeida, chamando-o de “pintor melancia oportunista”.

29/01
11:18

REFERÊNCIA

Em live neste domingo (28), o ex-presidente Jair Bolsonaro se defendeu de acusações de operar um suposto sistema de inteligência paralelo. Ao esclarecer sua “inteligência paralela”, ele relevou sua comunicação direta com o Coronel Alfredo Menezes no Amazonas, especialmente em situações críticas, como os incêndios na Amazônia. “Quando falei sobre minha inteligência paralela, quem é essa inteligência paralela? Tem um problema, está pegando fogo lá no Amazonas. Eu ligo para o coronel Menezes, certo? Menezes, como está essa questão dos incêndios aí? Porque a imprensa não está divulgando. E o cara me fala.”, declarou.

Ver mais >>

Programas