AO VIVO
Legislativo - 06 de julho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

Felipe Barros denuncia interferência de ONGs internacionais nas eleições brasileiras na CPAC

O deputado federal Felipe Barros (PL) fez graves acusações durante sua participação na CPAC Brasil 2024, denunciando a interferência de ONGs internacionais nas eleições brasileiras e na gestão do poder executivo. Barros apresentou o Projeto de Lei 1628/2024, que visa proibir o financiamento dessas organizações por fundações estrangeiras que operam no Brasil

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

O deputado federal Felipe Barros (PL) fez graves acusações durante sua participação na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) – Brasil 2024, realizada neste final de semana em Balneário Camboriú, Santa Catarina, denunciando a interferência de ONGs internacionais nas eleições brasileiras e na gestão do poder executivo.. Barros apresentou o Projeto de Lei 1628/2024, que visa proibir o financiamento dessas organizações por fundações estrangeiras que operam no Brasil.

Durante seu discurso, Barros destacou o papel das ONGs financiadas por grandes fundações internacionais, acusando-as de influenciar diretamente o resultado das eleições de 2022. “As principais fundações internacionais somam um valor de 658 bilhões de dólares, financiando ONGs que atuam no Brasil para promover pautas alinhadas com interesses estrangeiros”, afirmou o parlamentar.

O deputado citou exemplos específicos de financiamentos, como os repasses significativos da Open Society de George Soros para diversas ONGs brasileiras. Entre 2016 e 2022, a Open Society destinou cerca de 500 milhões de reais para organizações como Observatório do Clima, Quebrando o Tabu, e Instituto Marielle Franco, esta última ligada à atual ministra Anielle Franco do governo Lula.

“Enquanto o presidente Bolsonaro tentava construir um Brasil melhor dentro daquilo que todos nós queremos para o futuro da nossa nação, a Ford Foundation destinou 500 milhões de reais para ONGs aqui do nosso país, para atrapalhar o presidente Bolsonaro, para atrapalhar o desenvolvimento do nosso país e para eleger o Lula.”, declarou.

“Essas ONGs não só receberam financiamento estrangeiro, mas também buscaram influenciar a política nacional, dificultando iniciativas do governo Bolsonaro e promovendo agendas contrárias aos valores conservadores brasileiros”, acusou Barros.

O deputado ainda argumentou que as ONGs, financiadas por fundações internacionais, também têm uma conexão direta com o governo. Ele sugeriu que indivíduos que atuam nessas ONGs acabam ocupando cargos no governo Lula, o que ele vê como uma forma de continuidade e amplificação da influência dessas fundações internacionais na política brasileira.

O parlamentar ressaltou que seu projeto de lei visa impedir que fundações estrangeiras continuem interferindo no processo democrático brasileiro. “O PL 1628/2024 tem como objetivo proteger a soberania nacional e garantir que a política brasileira seja determinada pelos brasileiros, sem a influência indevida de entidades estrangeiras”, enfatizou Barros.

“A lei eleitoral hoje, ela proíbe que partidos políticos recebam dinheiro de fora do Brasil. Isso já é o que a lei estipula. Mas o que os partidos de esquerda, ao longo dos últimos anos, começaram a fazer para burlar a lei? O que os partidos de esquerda começaram a fazer para rasgar essa proibição que a nossa lei eleitoral já traz? Começaram a se utilizar de ONGs, que são patrocinadas e recebem dinheiro de grandes fundações, como nós vamos ver.”, acrescentou o parlamentar.

Barros concluiu sua intervenção na CPAC Brasil 2024 convocando os cidadãos a se informarem sobre o projeto de lei e apoiarem a iniciativa para fortalecer a legislação nacional contra interferências externas.

Veja os vídeos:

 

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

12/07
12:39

WILSON ANTECIPA 13º

O governador do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), anunciou na manhã desta sexta-feira (12) a antecipação da primeira parcela do 13º salário dos servidores públicos do estado para os dias 23 e 24 de julho. Segundo Lima, a medida, somada ao pagamento da folha mensal, resultará na injeção de aproximadamente R$ 1 bilhão na economia do estado no final deste mês.

12/07
12:37

CÁRMEN LÚCIA EM MANAUS

A presidente do TSE, Cármen Lúcia, visitará Manaus em 29 de julho para se reunir com o TRE e visitar o Parque das Tribos, a maior comunidade indígena urbana do Amazonas. O presidente do TRE, João Simões, confirmou a visita e expressou preocupação com a possível seca severa durante as eleições deste ano. As Forças Armadas auxiliarão na segurança, especialmente em áreas críticas.

12/07
12:36

PESQUISA CONTROVERSA

O Instituto Veritá divulgou uma nova pesquisa eleitoral para a Prefeitura de Manaus, onde o deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM), apoiado por Jair Bolsonaro (PL), lidera com 20,7% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Amom Mandel (Cidadania). No entanto, outras pesquisas recentes mostram Alberto Neto em queda, sendo ultrapassado por Roberto Cidade (União) e ocupando o quarto lugar nas intenções de voto.

12/07
12:34

DEPUTADO CONTRA MACONHA

O deputado estadual Eder Lourinho (PSD) apresentou um Projeto de Lei na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) para proibir o consumo de maconha em ambientes públicos e privados de uso coletivo, com multas de até R$ 2 mil para infratores. A proposta, motivada pela decisão do STF que descriminalizou o porte da droga para uso pessoal, ainda precisa ser analisada por comissões e deve tramitar mais rapidamente após o recesso legislativo em 6 de agosto. Lourinho ressaltou os riscos de saúde associados ao consumo da maconha.

12/07
12:32

LICITAÇÃO SUSPEITA

O ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU), suspendeu uma licitação de quase R$ 200 milhões da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República devido a indícios de fraude. A licitação, sob o comando do ministro Paulo Pimenta, visava contratar empresas para comunicação digital do governo. A suspensão foi motivada por uma publicação do site O Antagonista que antecipou as empresas vencedoras. A Secom tem 15 dias para explicar o caso e afirmou não ter sido notificada oficialmente ainda.

Ver mais >>

Programas