AO VIVO
Legislativo - 28 de março de 2022
Foto:

Falta de manutenção em rede elétrica causa mortes de clientes no interior, aponta CPI da Amazonas Energia

Para o presidente da CPI da Amazonas Energia, deputado estadual Sinésio Campos, está provado, por meio do depoimento do próprio povo, que a empresa cometeu crimes em várias partes do Estado

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Amazonas Energia, da Assembleia Legislativa do Estado (ALEAM), realizou suas últimas reuniões itinerantes nos municípios de Manicoré e Novo Aripuanã, na última semana, com a participação de autoridades públicas e cidadãos.

Durante as sessões, os moradores das cidades apresentaram diversos problemas ligados às atividades desenvolvidas pela concessionária, sendo o principal deles a falta de manutenção na rede elétrica, ocasionando, inclusive, a morte de clientes, segundo depoimentos.

A não retirada de galhos e árvores, que caem sobre a rede, ocasiona oscilações em vários pontos das cidades e comunidades próximas às sedes dos municípios. Por conta disso, os próprios moradores realizam a manutenção.

Em alguns casos, pessoas perderam a vida ao tentarem limpar a vegetação que tomou conta de boa parte da fiação, como contou Antônio Júnior, 53, que reside na comunidade Democracia, em Manicoré.

“Tem gente que perdeu a vida, teve mão decepada, amputada, que caiu do poste, tudo porque essa empresa não faz a limpeza. Se o mato toma conta a gente fica sem energia, perde o nosso alimento, nossas vendas, por isso a gente se arrisca”, disparou Antônio Júnior.

A mesma situação foi constatada no município de Novo Aripuanã, onde moradores destacaram a falta de manutenção na rede elétrica como um dos problemas recorrentes. Além disso, muitos reclamaram dos valores abusivos, nas contas.

“Estão me cobrando uma conta de R$ 1.412 reais e eu não tenho condições de pagar. Minha casa é pequena, humilde, não gasta tudo isso. Tenho renda de R$ 400 reais, daí tiro R$ 200 para pagar energia e o resto de alimento, caso contrário morro de fome”, desabafou Ana Diniz, 54.

Para o presidente da CPI da Amazonas Energia, deputado estadual Sinésio Campos (PT), está provado, por meio do depoimento do próprio povo, que a empresa cometeu crimes em várias partes do Amazonas.

“Identificamos que os abusos e desmandos dessa empresa continuam. O tratamento desumano às pessoas, até mesmo àquelas que deveriam receber tarifa social de energia, são rotineiros. Existe sim cobrança indevida, fato comprovado em Presidente Figueiredo e Tefé, por exemplo”, destacou Sinésio.

“Esta CPI atende o interesse de 4 milhões de amazonenses, por essa razão continuaremos as investigações. Não vão nos intimidar”, finalizou o deputado Sinésio Campos.

cpi da amazonas energia #Amazonas #amazonas Energia #aleam interior do amazonas #Sinésio Campos energia elétrica

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

11/07
12:33

REUNIÕES SECRETAS

Executivos da Âmbar Energia, ligada ao Grupo J&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista, realizaram secretamente 17 reuniões com autoridades do Ministério de Minas e Energia entre junho de 2023 e maio de 2024, sem registro oficial. Essas reuniões precederam a assinatura de uma medida provisória pelo presidente Lula em 13 de junho, beneficiando um negócio da Âmbar na energia elétrica, cujo custo será repassado aos consumidores por até 15 anos. O Ministério e a Âmbar negam que as reuniões tenham discutido a medida, mas não divulgaram os temas tratados. Críticas à falta de transparência foram levantadas, especialmente pela deputada Adriana Ventura (Novo-SP).

11/07
12:32

FRACA ARTICULAÇÃO

A aprovação da reforma tributária na Câmara revelou a fraca articulação dos senadores Eduardo Braga e Omar Aziz, que deixaram de incluir a maioria das propostas do Amazonas para a Zona Franca de Manaus (ZFM). O texto foi aprovado por 336 votos a favor e 142 contra. Foram incluídas apenas contribuições para financiar a UEA e fundos de desenvolvimento, além de crédito presumido para indústrias. Alterações cruciais, como a inclusão do IPI e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas. Os parlamentares precisarão trabalhar mais eficientemente no Senado.

11/07
12:31

SILAS CONTRA

A Câmara dos Deputados aprovou o primeiro projeto de regulamentação da reforma tributária com 336 votos a favor, 142 contra e duas abstenções. A maioria dos deputados do Amazonas votou contra devido aos impactos negativos na Zona Franca de Manaus (ZFM), com exceção de Silas Câmara (Republicanos-AM), que apoiou o projeto. Pauderney Avelino (União-AM) criticou a redução do crédito presumido e a falta de alíquota zero para operações internas, alertando sobre o aumento dos preços e a diminuição da competitividade no Amazonas. O próximo desafio será no Senado Federal.

11/07
12:30

DITADURA DA NICARÁGUA

A ditadura de Ortega na Nicarágua fechou a Radio María e mais 12 ONGs, totalizando 3,6 mil entidades fechadas em seis anos. A ministra do Interior, Maria Amelia Coronel, justificou o fechamento da rádio pela falta de demonstrações financeiras de 2019 a 2023. Ortega continua a perseguir a Igreja Católica, expulsando e detendo padres, e cancelando a cidadania de líderes religiosos, forçando-os ao exílio.

11/07
12:29

DEFESA DA ZFM

Wilson Lima, governador do Amazonas, promete lutar incansavelmente pela competitividade da Zona Franca de Manaus (ZFM) após a votação na Câmara dos Deputados que prejudicou o estado. Ele criticou a exclusão de emendas cruciais para o modelo econômico, enquanto duas sugestões foram aceitas, incluindo contribuições para financiar a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e fundos de desenvolvimento, além de créditos presumidos para indústrias. Alterações solicitadas, como a inclusão do IPI para produtos aprovados pela Suframa e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas.

Ver mais >>

Programas