AO VIVO
Executivo - 04 de julho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

Secretário enfatiza esforço estadual e pouca participação federal no combate às drogas no Amazonas

O Amazonas lidera o ranking de apreensões de entorpecentes na região Norte, apontam dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). No entanto, o secretário da SSP-AM, em entrevista ao programa Boa Noite, Amazônia na noite desta quinta-feira (4), destacou a insuficiência na participação do governo federal no combate ao tráfico de drogas na região

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

O Amazonas lidera o ranking de apreensões de entorpecentes na região Norte, apontam dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Os números representam 66,4% de toda a droga apreendida na região, entre os meses de janeiro a maio de 2024, período em que as apreensões cresceram cerca de 24% em todo o estado.

O secretário de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), coronel Vinícius Almeida, reforçou que os números representam o resultado dos investimentos realizados pelo Governo do Amazonas, a partir do programa Amazonas Mais Seguro, lançado pelo governador Wilson Lima, em 2021, e com o trabalho integrado realizado pela SSP-AM, em conjunto com as polícias Militar (PMAM) e Civil (PC-AM) e a cooperação das demais Forças Federais. As ações resultaram em operações em Manaus e no interior e culminaram para elevar o estado ao primeiro lugar.

No entanto, o secretário da SSP-AM, em entrevista ao programa Boa Noite, Amazônia na noite desta quinta-feira (4), destacou a insuficiência na participação do governo federal no combate ao tráfico de drogas na região. O secretário enfatiza que a maior parte do investimento em segurança pública é feito pelo governo estadual.

Ele menciona que, embora o Governo Federal aporte, por mês, R$ 1,3 milhão para a Operação Protetor, nas Bases Arpão 1 e 2, com aproximadamente 140 policiais atuando, o custo total das operações é significativamente maior (em torno de R$ 5 milhões).

O secretário argumenta que os recursos federais são insuficientes. Ele explica que os fundos federais são limitados e que o estado precisa de mais investimentos, especialmente nas áreas de fronteira, que são responsabilidade do Governo Federal.

“O que vem de aportes do Governo Federal é o fundo a fundo, é um recurso que já vem inteiramente. Todos os recursos estão em torno de R$ 30, R$ 32 milhões, dos quais em torno de R$ 20 milhões é o que nós temos para investimento. Então, assim, precisa de uma atenção ainda melhor do Governo Federal, precisa de uma atenção especial nas fronteiras, que é a responsabilidade federativa […]”, comentou.

O secretário detalhou os esforços do governo estadual, incluindo a contratação de mil novos policiais militares que começarão a atuar ainda este ano, com foco inicial na capital e depois no interior. Ele reconhece que o estado está fazendo sua parte, mas enfatiza que é insuficiente sem o apoio federal.

Ele ressalta que a questão das drogas não afeta apenas o Amazonas, mas todo o país. As drogas que passam pelo Amazonas acabam indo para outras regiões do Brasil e até para o exterior, destacando a importância de uma colaboração mais estreita com o governo federal.

“Por exemplo, nós apreendermos 17 toneladas de drogas, enquanto ação do Governo do Estado, enquanto do sistema de segurança pública estadual, podemos ter isso como um dado muito positivo, claro que sim. Mas, por outro lado, nós também levantamos uma luz amarela no seguinte sentido. E por que está entrando? Porque não era para entrar. Essas drogas precisam ser contidas na fronteira. Eu volto a dizer, o Governo Federal tem uma boa parceria com o governo do estado, tem feito um trabalho de parceria, mas não é o suficiente. Nós não estamos no momento de comemorar, nós estamos no momento de avançar para solucionar esse problema de maneira mais efetiva”, finalizou o secretário.

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

12/07
12:39

WILSON ANTECIPA 13º

O governador do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), anunciou na manhã desta sexta-feira (12) a antecipação da primeira parcela do 13º salário dos servidores públicos do estado para os dias 23 e 24 de julho. Segundo Lima, a medida, somada ao pagamento da folha mensal, resultará na injeção de aproximadamente R$ 1 bilhão na economia do estado no final deste mês.

12/07
12:37

CÁRMEN LÚCIA EM MANAUS

A presidente do TSE, Cármen Lúcia, visitará Manaus em 29 de julho para se reunir com o TRE e visitar o Parque das Tribos, a maior comunidade indígena urbana do Amazonas. O presidente do TRE, João Simões, confirmou a visita e expressou preocupação com a possível seca severa durante as eleições deste ano. As Forças Armadas auxiliarão na segurança, especialmente em áreas críticas.

12/07
12:36

PESQUISA CONTROVERSA

O Instituto Veritá divulgou uma nova pesquisa eleitoral para a Prefeitura de Manaus, onde o deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM), apoiado por Jair Bolsonaro (PL), lidera com 20,7% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Amom Mandel (Cidadania). No entanto, outras pesquisas recentes mostram Alberto Neto em queda, sendo ultrapassado por Roberto Cidade (União) e ocupando o quarto lugar nas intenções de voto.

12/07
12:34

DEPUTADO CONTRA MACONHA

O deputado estadual Eder Lourinho (PSD) apresentou um Projeto de Lei na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) para proibir o consumo de maconha em ambientes públicos e privados de uso coletivo, com multas de até R$ 2 mil para infratores. A proposta, motivada pela decisão do STF que descriminalizou o porte da droga para uso pessoal, ainda precisa ser analisada por comissões e deve tramitar mais rapidamente após o recesso legislativo em 6 de agosto. Lourinho ressaltou os riscos de saúde associados ao consumo da maconha.

12/07
12:32

LICITAÇÃO SUSPEITA

O ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU), suspendeu uma licitação de quase R$ 200 milhões da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República devido a indícios de fraude. A licitação, sob o comando do ministro Paulo Pimenta, visava contratar empresas para comunicação digital do governo. A suspensão foi motivada por uma publicação do site O Antagonista que antecipou as empresas vencedoras. A Secom tem 15 dias para explicar o caso e afirmou não ter sido notificada oficialmente ainda.

Ver mais >>

Programas