AO VIVO
Executivo - 26 de junho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

MPC pede fim do ‘enriquecimento ilícito’ de familiares de Bi Garcia com Festival de Parintins

Órgão recomenda licitação ou corte de verbas estaduais diante de monopólio comercial no festival folclórico

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Alegando enriquecimento ilícito de parentes do prefeito Bi Garcia, o Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC-AM) pediu ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) que recomende ao governo estadual que se abstenha de repassar recursos para a Prefeitura de Parintins e para os bumbás Garantido e Caprichoso, caso não haja licitação de uma empresa para as vendas de ingressos e de outros serviços relacionados ao Festival de Parintins, a partir do ano que vem.

Em nova representação, enviada nesta semana, assinada pela procuradora de Contas Elissandra Monteiro Freire Alvares, o MPC-AM acusa a empresa Amazon Best Turismo e Eventos Ltda., de explorar comercialmente todas as áreas do Festival, de ingressos a passagens aéreas, passando por hospedagens, serviços de buffet etc., “quase em regime de monopólio”. E diz que a empresa tem como sócios familiares (irmão, cunhada e sobrinha) do prefeito Bi Garcia.

“O que não se pode admitir é que um evento custeado em grande parte com recursos públicos seja utilizado para enriquecer particulares de forma indevida”, diz a Representação. A procuradora pede que o TCE-AM determine à Associação Folclórica Boi Bumbá Garantido, à Associação Cultural Movimento Amigos do Garantido, à Associação Cultural Boi Bumbá Caprichoso, à Associação Cultural Movimento Marujada e à Prefeitura Municipal de Parintins, “que procedam à concorrência para a escolha da empresa responsável pela venda de ingressos e pela comercialização de quaisquer serviços e produtos no Bumbódromo de Parintins a partir do ano de 2025, de maneira pública e com a adoção de critérios objetivos, buscando obter a proposta mais vantajosa para a coletividade, real destinatária do Festival, e evitando favorecimentos indevidos”.

A procuradora diz que não é de hoje que o MPC-AM “aponta claros indícios de irregularidades na realização do Festival Folclórico de Parintins, especialmente no que se refere à atuação da Empresa Amazon Best Turismo e Eventos Ltda., que explora comercialmente todas as áreas do Festival, de ingressos a passagens aéreas, passando por hospedagens, serviços de buffet etc., quase em regime de monopólio”.

Ela cita que há “vasto conjunto probatório evidenciando que o Festival Folclórico de Parintins tem sido utilizado como meio para enriquecimento ilícito da empresa Amazon Best e, consequentemente, de seus proprietários”. E lembra que o primeiro processo no TCE-AM foi arquivado sem julgamento do mérito em razão do reconhecimento da prescrição intercorrente. E que o segundo se encontra em fase de julgamento, com a instrução concluída. Ou seja, até o presente momento ainda não houve decisão de mérito por parte do TCE-AM sobre os fatos narrados.

Levantamento do MPC-AM estima-se um investimento do governo do Estado de aproximadamente R$ 20 milhões para a realização do Festival em 2024, sem contar gastos com logística para envio de insumos e pessoal para atuarem nas áreas de segurança, saúde etc durante o evento.

“Não se pretende questionar os investimentos estatais para a realização do Festival, pois é notório que o retorno direto e indireto para o Município de Parintins e para o Estado do Amazonas com a realização do Festival é imenso. O que não se pode admitir é que um evento custeado em grande parte com recursos públicos seja utilizado para enriquecer particulares de forma indevida”, diz.

A Representação explica que a Amazon Best detém a exclusividade para a comercialização de ingressos, camarotes e buffets, dentre outros, para o Festival Folclórico de Parintins. Diz que a exclusividade advém de contrato com as associações folclóricas (Caprichoso e Garantido, e que o Estado do Amazonas autoriza o uso e comercialização dos espaços do bumbódromo (arquibancadas, cadeiras, camarotes etc) pelas associações folclóricas, de forma gratuita. E, ainda, que as associações folclóricas, por seu turno, “de forma pouco transparente e sem maiores explicações, delegam de forma exclusiva à empresa Amazon Best, desde o ano de 2017, toda a comercialização daqueles espaços e de tudo que os cerca, como venda de alimentos, bebidas, contratação de buffets, dentre outros”.

Patrimônio Cultural

A procuradora lembra que o Festival Folclórico de Parintins foi declarado Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado através da Lei Promulgada nº 375 / 20172 e o Boi Bumbá de Parintins foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil durante a 91ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, do Instituto do Patrimônio Histórico e
Artístico Nacional (Iphan), realizada em 2018. E diz que “isso, por si só, já afastaria eventuais argumentos de que o contrato firmado entre os bumbás e a empresa tem natureza privada”.

“O cenário vivenciado pela Amazon Best é o sonho de qualquer empreendedor. Em um evento custeado e divulgado pelo Estado, com presença garantida de público, a empresa de familiares do Prefeito Municipal explora, em regime de quase monopólio, serviços que vão das passagens aéreas até os salgadinhos vendidos no Bumbódromo de Parintins, passando por ingressos, hotelaria etc”, diz a procuradora.

REPRESENTACAO682024

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

18/07
14:40

CUSTA PROCESSUAIS

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) fixou uma tese em um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) sobre o recolhimento de custas processuais para citação em processos judiciais. A tese estabelece que a falta de pagamento das custas necessárias à citação configura ausência de pressuposto para o desenvolvimento regular do processo, permitindo sua extinção caso não haja regularização dentro do prazo estabelecido, sem necessidade de prévia intimação pessoal do autor. A decisão visa uniformizar o entendimento e garantir a segurança jurídica no TJAM.

18/07
14:38

PROJETO DE DÉBORA

A deputada estadual Débora Menezes apresentou o Projeto de Lei 372/2024 para fixar o critério do sexo biológico em testes físicos ou práticos de concursos públicos no Amazonas, visando garantir o princípio da isonomia. Segundo a proposta, os candidatos competiriam apenas com pessoas do mesmo sexo biológico nessas etapas, mantendo a concorrência justa sem interferir nas provas teóricas. Débora argumenta que isso preservaria a integridade das competições e evitaria desigualdades decorrentes de diferenças fisiológicas entre homens e mulheres.

18/07
14:37

“ESCOLA DA FLORESTA”

Nesta terça-feira, o governador Wilson Lima inaugurou a primeira Escola da Floresta do Brasil na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, no interior do estado. A escola adota um conceito de sustentabilidade integral e um currículo inovador focado em educação ambiental. Lima enfatizou a importância de cuidar das comunidades locais para proteger a Amazônia, destacando a iniciativa como um modelo inspirador de desenvolvimento sustentável e educação integrada à conservação ambiental.

18/07
14:36

AUXÍLIO DO GOVERNO

O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou nesta terça-feira, o valor de R$ 30 mil como auxílio para reposição de moradias de cada uma das 18 famílias afetadas por um incêndio de grandes proporções no município de Nhamundá, no interior do estado. O sinistro, ocorrido na madrugada de segunda-feira, atingiu 14 residências e deixou 69 pessoas desabrigadas. O auxílio será pago por meio do programa Amazonas Meu Lar.

17/07
13:33

FOMENTO

O governador Wilson Lima assinou um protocolo de intenções com o Banco da Amazônia para impulsionar o setor primário e o empreendedorismo no Amazonas, com investimentos previstos de R$ 1,4 bilhão do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A iniciativa reforça o compromisso do governo com o desenvolvimento sustentável do estado, focando no apoio à agricultura familiar e outros setores produtivos.

Ver mais >>

Programas