AO VIVO
Executivo - 02 de julho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

Dados mostram que David Almeida mentiu ao responsabilizar governo por problemas de saúde

Os dados indicam que a maioria das necessidades de saúde não requer atenção especializada do Estado, mas sim serviços de atenção primária municipais robustos. Isso poderia reduzir a sobrecarga nas instalações estaduais

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Em recentes declarações em um programa de TV, o prefeito quando indagado sobre as dificuldades vivenciadas pela população manauara, David Almeida afirmou que a saúde e segurança pública não são problemas da Prefeitura.

“Quando eu falo saúde é 28 de Agosto, é João Lúcio, Fcecon, é Francisca Mendes e Platão Araújo. Quando eu falo da saúde que dá problema é a cirurgia que não está acontecendo e as pessoas acabam fazendo essa ligação com a saúde municipal.”

No entanto, uma análise detalhada dos dados de saúde do primeiro semestre de 2024 pinta um quadro mais matizado, desafiando as afirmações do prefeito e destacando a complexa interação de responsabilidades entre os diferentes níveis de governo.

No primeiro semestre de 2024, os três Hospitais Pronto-Socorro (HPS) infantis da capital atenderam um total de 111.022 crianças. Destes, 69.769 foram classificados como casos de baixa complexidade (azul e verde), necessitando tipicamente de atenção básica à saúde. Apesar dessa classificação, todas as crianças foram atendidas e tratadas de acordo com seus sintomas, demonstrando o compromisso do sistema de saúde em prestar assistência independente da complexidade.

Da mesma forma, os três Hospitais Pronto-Socorro Adulto de Manaus (HPS) realizaram um total de 149.242 atendimentos no mesmo período. Destes, 46.564 foram classificados como casos de baixa complexidade, indicando novamente uma proporção significativa de necessidades de saúde que poderiam ser gerenciadas em nível de atenção primária (responsabilidade Municipal).

Contestando as alegações do prefeito

Esses dados sugerem que a maioria das necessidades de saúde não são necessariamente casos de alta complexidade que requerem atenção especializada do Estado. Em vez disso, eles destacam a necessidade de serviços de atenção primária robustos em nível municipal, o que poderia potencialmente aliviar a carga sobre as instalações administradas pelo Estado.

Análise comparativa

Para contextualizar melhor esses números, é útil compará-los com anos anteriores. Por exemplo, no primeiro semestre de 2023, o número de atendimentos no HPS para Crianças foi de aproximadamente 90.000, indicando um aumento significativo em 2024. Esse crescimento pode ser atribuído a vários fatores, incluindo o crescimento populacional e a maior conscientização sobre os serviços de saúde.

Responsabilidade e gestão da Saúde

O vereador Allan Campelo, em discurso recente, apresentou dados que reforçam a necessidade de melhorias na gestão municipal. Ele destacou que, em janeiro, uma unidade estadual atendeu 13.097 pessoas, das quais 12.444 foram classificadas como azul, verde ou amarelo, perfis que deveriam ser atendidos na rede básica.

“Eu vejo que a saúde engloba o governo federal, estadual e municipal. O discurso joga a responsabilidade maior no estado, mas trouxe números aqui: de 13.097 atendimentos em janeiro, 12.444 eram de baixa complexidade, que caberiam ao município. A saúde precisa melhorar em todos os níveis, mas a gestão municipal deve se fortalecer para diminuir essa sobrecarga.”

Os dados de saúde de Manaus para o primeiro semestre de 2024 desafiam as reivindicações do prefeito Almeida e ressaltam as complexas responsabilidades compartilhadas entre os diferentes níveis de governo. Embora o Estado desempenhe um papel significativo na prestação de cuidados de saúde, os dados sugerem que uma parcela substancial das necessidades de saúde poderia ser gerenciada em nível municipal com serviços robustos de atenção primária à saúde. Isso exige uma abordagem colaborativa para a gestão de saúde, com foco na eficiência e acessibilidade para garantir o bem-estar da população.

Veja também:

Vereador rebate David e mostra que Estado faz atendimento básico, responsabilidade da Prefeitura

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

18/07
14:40

CUSTA PROCESSUAIS

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) fixou uma tese em um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) sobre o recolhimento de custas processuais para citação em processos judiciais. A tese estabelece que a falta de pagamento das custas necessárias à citação configura ausência de pressuposto para o desenvolvimento regular do processo, permitindo sua extinção caso não haja regularização dentro do prazo estabelecido, sem necessidade de prévia intimação pessoal do autor. A decisão visa uniformizar o entendimento e garantir a segurança jurídica no TJAM.

18/07
14:38

PROJETO DE DÉBORA

A deputada estadual Débora Menezes apresentou o Projeto de Lei 372/2024 para fixar o critério do sexo biológico em testes físicos ou práticos de concursos públicos no Amazonas, visando garantir o princípio da isonomia. Segundo a proposta, os candidatos competiriam apenas com pessoas do mesmo sexo biológico nessas etapas, mantendo a concorrência justa sem interferir nas provas teóricas. Débora argumenta que isso preservaria a integridade das competições e evitaria desigualdades decorrentes de diferenças fisiológicas entre homens e mulheres.

18/07
14:37

“ESCOLA DA FLORESTA”

Nesta terça-feira, o governador Wilson Lima inaugurou a primeira Escola da Floresta do Brasil na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, no interior do estado. A escola adota um conceito de sustentabilidade integral e um currículo inovador focado em educação ambiental. Lima enfatizou a importância de cuidar das comunidades locais para proteger a Amazônia, destacando a iniciativa como um modelo inspirador de desenvolvimento sustentável e educação integrada à conservação ambiental.

18/07
14:36

AUXÍLIO DO GOVERNO

O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou nesta terça-feira, o valor de R$ 30 mil como auxílio para reposição de moradias de cada uma das 18 famílias afetadas por um incêndio de grandes proporções no município de Nhamundá, no interior do estado. O sinistro, ocorrido na madrugada de segunda-feira, atingiu 14 residências e deixou 69 pessoas desabrigadas. O auxílio será pago por meio do programa Amazonas Meu Lar.

17/07
13:33

FOMENTO

O governador Wilson Lima assinou um protocolo de intenções com o Banco da Amazônia para impulsionar o setor primário e o empreendedorismo no Amazonas, com investimentos previstos de R$ 1,4 bilhão do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A iniciativa reforça o compromisso do governo com o desenvolvimento sustentável do estado, focando no apoio à agricultura familiar e outros setores produtivos.

Ver mais >>

Programas