AO VIVO
Executivo - 09 de julho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

Caso das joias: defesa de Bolsonaro nega enriquecimento ilícito e critica inquérito da PF

Os advogados enfatizaram que Bolsonaro nunca teve a intenção de enriquecer-se com bens que pudessem ser considerados públicos

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Em nota divulgada nesta segunda-feira (8), a defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) se manifestou sobre o indiciamento por suposto desvio de joias sauditas recebidas durante visita ao Oriente Médio. Os advogados enfatizaram que Bolsonaro nunca teve a intenção de enriquecer-se com bens que pudessem ser considerados públicos.

A defesa destacou que, devido à complexidade das normas que regulam tais itens, foi solicitado que, por precaução, os bens ficassem sob custódia do poder público até que se concluísse a discussão sobre sua destinação correta. Quando Bolsonaro foi notificado sobre o caso em março do ano passado, compareceu espontaneamente ao Tribunal de Contas da União (TCU) e requereu o depósito dos bens na Corte.

Os advogados também argumentaram que os presentes direcionados a um presidente seguem um protocolo rigoroso de tratamento e catalogação, sobre o qual o chefe do Executivo não tem ingerência, sendo conduzido pelo Gabinete Adjunto de Documentação Histórica (GADH), composto por servidores de carreira de gestões anteriores.

A defesa mencionou que situações semelhantes ocorreram em governos anteriores, mas somente Bolsonaro foi processado, sugerindo um tratamento diferenciado e injusto. Por fim, manifestaram indignação com o erro no inquérito da Polícia Federal, que inicialmente estimou o valor das joias em R$ 25.000.000,00, mas posteriormente corrigiu a informação após repercussão negativa na mídia.

Veja também:

Caso das joias: PF admite erro em relatório e retifica valor atribuído a Bolsonaro

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

12/07
12:39

WILSON ANTECIPA 13º

O governador do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), anunciou na manhã desta sexta-feira (12) a antecipação da primeira parcela do 13º salário dos servidores públicos do estado para os dias 23 e 24 de julho. Segundo Lima, a medida, somada ao pagamento da folha mensal, resultará na injeção de aproximadamente R$ 1 bilhão na economia do estado no final deste mês.

12/07
12:37

CÁRMEN LÚCIA EM MANAUS

A presidente do TSE, Cármen Lúcia, visitará Manaus em 29 de julho para se reunir com o TRE e visitar o Parque das Tribos, a maior comunidade indígena urbana do Amazonas. O presidente do TRE, João Simões, confirmou a visita e expressou preocupação com a possível seca severa durante as eleições deste ano. As Forças Armadas auxiliarão na segurança, especialmente em áreas críticas.

12/07
12:36

PESQUISA CONTROVERSA

O Instituto Veritá divulgou uma nova pesquisa eleitoral para a Prefeitura de Manaus, onde o deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM), apoiado por Jair Bolsonaro (PL), lidera com 20,7% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Amom Mandel (Cidadania). No entanto, outras pesquisas recentes mostram Alberto Neto em queda, sendo ultrapassado por Roberto Cidade (União) e ocupando o quarto lugar nas intenções de voto.

12/07
12:34

DEPUTADO CONTRA MACONHA

O deputado estadual Eder Lourinho (PSD) apresentou um Projeto de Lei na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) para proibir o consumo de maconha em ambientes públicos e privados de uso coletivo, com multas de até R$ 2 mil para infratores. A proposta, motivada pela decisão do STF que descriminalizou o porte da droga para uso pessoal, ainda precisa ser analisada por comissões e deve tramitar mais rapidamente após o recesso legislativo em 6 de agosto. Lourinho ressaltou os riscos de saúde associados ao consumo da maconha.

12/07
12:32

LICITAÇÃO SUSPEITA

O ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU), suspendeu uma licitação de quase R$ 200 milhões da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República devido a indícios de fraude. A licitação, sob o comando do ministro Paulo Pimenta, visava contratar empresas para comunicação digital do governo. A suspensão foi motivada por uma publicação do site O Antagonista que antecipou as empresas vencedoras. A Secom tem 15 dias para explicar o caso e afirmou não ter sido notificada oficialmente ainda.

Ver mais >>

Programas