AO VIVO
Economia - 30 de janeiro de 2022
Foto:

Integração entre órgãos marca primeira reunião do ano do Distrito Bioagroindustrial da Amazônia de Rio Preto da Eva

A reunião aconteceu no auditório da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), localizada no Distrito Industrial, Zona Sul da capital

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Manaus | AM | Com informações da assessoria de imprensa

Em prosseguimento do projeto Distrito Bioagroindustrial da Amazônia Polo Rio Preto da Eva (Biodarpe), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), coordenou, na última sexta-feira (28), uma reunião com diversos órgãos dos governos federal, estadual e municipal, além de outras entidades, para definir os próximos passos e a nova equipe técnica que irá coordenar os trabalhos este ano.

A reunião aconteceu no auditório da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), localizada no Distrito Industrial, Zona Sul da capital. “Essa reunião foi para definir a nova equipe técnica, já que a primeira foi composta para a elaboração do master plan, que já foi finalizado. Agora, será uma nova fase que exige nova equipe técnica a ser composta por outros integrantes, para que se dê continuidade ao projeto”, explicou o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico da Sedecti, Renato Freitas.

De acordo com Renato, a participação de vários órgãos de governos, além do setor privado, se faz importante exatamente porque a proposta é ter um projeto altamente participativo. “Porém, o objetivo final do projeto é o desenvolvimento, e desenvolver, significa quebrar estruturas antigas e passar para um outro nível de bem-estar social, garantindo geração de riquezas para os agricultores e para toda a microrregião do município de Rio Preto da Eva”, salientou o secretário, ao ressaltar que os produtores terão seus produtos demandados por grandes, médias ou pequenas empresas quando o projeto estiver concluído.

Ciama

Durante a reunião, o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama) – órgão que atua junto com a Sedecti na coordenação do projeto Biodarpe -, Aluizio Barbosa, destacou que a perspectiva do Governo do Estado é criar um novo ambiente de investimentos e uma nova matriz de negócios.

“O Biodarpe consolida o comprometimento do governador Wilson Lima com a interiorização do desenvolvimento e a industrialização do interior do Amazonas. Agora estamos engajados na elaboração do Projeto Executivo e do Estudo de Impactos Ambientais (EIA/Rima)”, completou Aluízio.

A Companhia foi responsável pela concepção do projeto arquitetônico e elaboração do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (Evetea) do Biodarpe que já foi entregue para a Prefeitura de Rio Preto da Eva e para a Suframa.

Doação de terreno

O superintendente da Suframa, Algacir Posin, frisou que foram lançadas as ações que devem ser realizadas pelos diversos setores envolvidos no projeto. Ele declarou ainda que a autarquia está empenhada em acompanhar a decisão do governo federal em fazer a doação do terreno, que é uma área da União, onde deverá ser construído o Biodarpe.

“Com a decisão do presidente Bolsonaro de enviar ao Congresso a autorização para a cessão da área para a Prefeitura de Rio Preto da Eva, nós podemos avançar e contribuir para o desenvolvimento daquela região. Mas, temos muito trabalho pela frente. A área está delimitada e existem alguns percalços pela frente a serem feitos, como licenciamento ambiental e uma série de ações que são necessárias para esse tipo de projeto”, esclareceu Posin.

Biodarpe

O Distrito Bioagroindustrial da Amazônia Polo Rio Preto da Eva (Biodarpe) representa um conceito inovador de investimento, com a exploração das potencialidades regionais, induzindo novas cadeias de valor, com a adoção de produtos da bioeconomia, atração de novas empresas agroindustriais com tecnologias modernas de cultivo, bionegócios, fitoterápicos, fármacos e piscicultura. O investimento para a primeira etapa do projeto é da ordem de R$ 17 milhões.

Como o município de Rio Preto da Eva está localizado na Região Metropolitana de Manaus (distante 57 km da capital, em linha reta), o Biodarpe também prevê abrangência a outros municípios da região, como: Presidente Figueiredo, Itacoatiara, Itapiranga, Silves e a própria capital Manaus.

Rio Preto da Eva

Na avalição do prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Souza, além de beneficiar o desenvolvimento econômico do Estado, o Biodadarpe irá atender, principalmente, a agricultura familiar dos pequenos produtores da região.

“Graças a Deus e à equipe do governador Wilson Lima, que tem sido sensível a esse projeto, integrado com a Suframa, conseguimos avançar bastante, desde 2019, para fazer essa nova matriz econômica no nosso Estado. Rio Preto da Eva terá a oportunidade como um distrito bioagroindustrial, onde vamos valorizar o produto regional, como o peixe, o frango, a carne bovina, suína e caprina. E, também, poderemos beneficiar, as frutas e verduras e todos os produtos regionais”, disse o prefeito.

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

11/07
12:33

REUNIÕES SECRETAS

Executivos da Âmbar Energia, ligada ao Grupo J&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista, realizaram secretamente 17 reuniões com autoridades do Ministério de Minas e Energia entre junho de 2023 e maio de 2024, sem registro oficial. Essas reuniões precederam a assinatura de uma medida provisória pelo presidente Lula em 13 de junho, beneficiando um negócio da Âmbar na energia elétrica, cujo custo será repassado aos consumidores por até 15 anos. O Ministério e a Âmbar negam que as reuniões tenham discutido a medida, mas não divulgaram os temas tratados. Críticas à falta de transparência foram levantadas, especialmente pela deputada Adriana Ventura (Novo-SP).

11/07
12:32

FRACA ARTICULAÇÃO

A aprovação da reforma tributária na Câmara revelou a fraca articulação dos senadores Eduardo Braga e Omar Aziz, que deixaram de incluir a maioria das propostas do Amazonas para a Zona Franca de Manaus (ZFM). O texto foi aprovado por 336 votos a favor e 142 contra. Foram incluídas apenas contribuições para financiar a UEA e fundos de desenvolvimento, além de crédito presumido para indústrias. Alterações cruciais, como a inclusão do IPI e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas. Os parlamentares precisarão trabalhar mais eficientemente no Senado.

11/07
12:31

SILAS CONTRA

A Câmara dos Deputados aprovou o primeiro projeto de regulamentação da reforma tributária com 336 votos a favor, 142 contra e duas abstenções. A maioria dos deputados do Amazonas votou contra devido aos impactos negativos na Zona Franca de Manaus (ZFM), com exceção de Silas Câmara (Republicanos-AM), que apoiou o projeto. Pauderney Avelino (União-AM) criticou a redução do crédito presumido e a falta de alíquota zero para operações internas, alertando sobre o aumento dos preços e a diminuição da competitividade no Amazonas. O próximo desafio será no Senado Federal.

11/07
12:30

DITADURA DA NICARÁGUA

A ditadura de Ortega na Nicarágua fechou a Radio María e mais 12 ONGs, totalizando 3,6 mil entidades fechadas em seis anos. A ministra do Interior, Maria Amelia Coronel, justificou o fechamento da rádio pela falta de demonstrações financeiras de 2019 a 2023. Ortega continua a perseguir a Igreja Católica, expulsando e detendo padres, e cancelando a cidadania de líderes religiosos, forçando-os ao exílio.

11/07
12:29

DEFESA DA ZFM

Wilson Lima, governador do Amazonas, promete lutar incansavelmente pela competitividade da Zona Franca de Manaus (ZFM) após a votação na Câmara dos Deputados que prejudicou o estado. Ele criticou a exclusão de emendas cruciais para o modelo econômico, enquanto duas sugestões foram aceitas, incluindo contribuições para financiar a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e fundos de desenvolvimento, além de créditos presumidos para indústrias. Alterações solicitadas, como a inclusão do IPI para produtos aprovados pela Suframa e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas.

Ver mais >>

Programas