AO VIVO
Economia - 19 de junho de 2024
Foto: Reprodução/Internet

Governo Lula salva negócio dos irmãos Batista às custas dos consumidores

Três dias após a Âmbar Energia adquirir usinas da Eletrobras, o governo assinou uma norma que garantirá a viabilidade do negócio, transferindo o custo dessa decisão política para os consumidores, e a conta de luz pode subir por 15 anos

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Três dias após a Âmbar Energia adquirir usinas da Eletrobras, o governo assinou uma norma que garantirá a viabilidade do negócio, transferindo o custo dessa decisão política para os consumidores, o que possivelmente já estava planejado antes da venda dos ativos.

O Ministério de Minas e Energia justificou a medida, de forma insatisfatória, alegando a necessidade de dar sustentabilidade à distribuidora de energia no Amazonas. O governo do presidente Lula (PT), por meio do Ministro Alexandre Silveira, editou uma medida provisória que beneficia a Âmbar, empresa dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que estão livres e tiveram suas multas bilionárias perdoadas pelo Ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF). Os mesmos empresários que, em delação premiada à Polícia Federal, confessaram ter transferido “40 milhões de dólares para a conta de Lula e 50 milhões de dólares para a conta de Dilma, por intermédio do Ministro Guido Mantega”.

A decisão vem em socorro da Amazonas Energia, garantindo os pagamentos que a empresa deve fazer às termelétricas recentemente adquiridas pela Âmbar. Os recursos necessários para esta operação serão financiados pelas contas de luz de todos os consumidores brasileiros por até 15 anos.

A Eletrobras anunciou ao mercado a venda de 13 usinas para a Âmbar por R$ 4,7 bilhões. Dessas termelétricas, com exceção da usina de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, as demais fornecem energia para a Amazonas Energia, a distribuidora de energia elétrica do Estado do Amazonas. No entanto, a distribuidora é deficitária e, desde novembro, não paga pela energia gerada por essas térmicas. Ao fazer a oferta, a Âmbar assumiu o risco de inadimplência desses contratos, que até então era de responsabilidade da Eletrobras, conforme informado em comunicado oficial ao mercado.

Apenas três dias após a venda, surgiu a “salvação”: o Diário Oficial da União publicou uma medida provisória para socorrer a Amazonas Energia, transferindo o pagamento pela energia das térmicas para contas gerenciadas pelo governo e financiadas pelas contas de luz de consumidores de todo o país por até 15 anos.

Embora o presidente Lula estivesse no Brasil, ele não assinou a medida, delegando a responsabilidade ao seu vice, Geraldo Alckmin, e ao ministro Alexandre Silveira. O governo encaminhou ao Congresso a exposição de motivos, justificando a edição das normas. Até a publicação, o texto não era conhecido. Os custos para os consumidores do resto do país, calculados por operadores do mercado de energia, variam de R$ 2 bilhões a R$ 2,7 bilhões por ano, podendo ultrapassar R$ 30 bilhões no total. Além das usinas, a Âmbar já manifestou interesse em adquirir a própria distribuidora Amazonas.

De acordo com a medida provisória, os contratos de fornecimento das térmicas com a Amazonas Energia passarão a ser pagos pela “Conta de Energia de Reserva”, gerida pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Esta conta é financiada por todos os consumidores de energia elétrica, sejam do mercado regulado (pequenos consumidores), do mercado livre (grandes consumidores) ou autogeradores.

A medida do governo também prorroga por 120 dias flexibilizações que permitem à concessionária amazonense registrar perdas e problemas econômicos sem sofrer sanções. Na justificativa, o Ministro de Minas e Energia afirmou que, sem essas permissões, é improvável que, a curto prazo, a distribuidora alcance um nível de sustentabilidade econômico-financeira.

 

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

23/07
12:40

CONVENÇÃO EM ITACOATIARA

Na noite de sábado, 20 de julho, o Podemos realizou uma convenção em Itacoatiara para oficializar Arnoud Lucas como candidato a prefeito nas eleições de 2024. O evento reuniu milhares de pessoas e anunciou 31 candidatos a vereador pelo Podemos e PMB. O vereador destacou a necessidade de mudança e participação popular, reforçando o compromisso com o progresso da cidade.

23/07
12:39

VICE DE ALBERTO NETO

Em entrevista ao site O Poder, neste sábado (20), o deputado federal Alberto Neto (PL) revelou que seu pré-candidato a vice será da mesma ideologia política, da direita, e não há chances de ser vice do pré-candidato Roberto Cidade (União Brasil). Neto destacou a lealdade à direita e a Jair Bolsonaro, e anunciou que a convenção do Partido Liberal (PL) está prevista para 3 de agosto, onde serão oficializados a chapa majoritária e os candidatos a vereador.

23/07
12:37

CONVENÇÃO EM PAUINI

No sábado, 20, mais de 2 mil pessoas compareceram à convenção partidária do “Bloco de Evolução do Município” (Coligação do Bem) em Pauini. O prefeito Renato Afonso (PSD) teve seu nome confirmado como candidato à reeleição, compondo a chapa com o vice-prefeito Paulo da Gasolina (PL). A coligação tem o apoio do União Brasil e dos Progressistas. O prefeito destacou os avanços realizados e a necessidade de continuar o projeto de evolução do município.

23/07
12:36

CANDIDATURA HISTÓRICA

Neste domingo, 21 de julho, o União Brasil realizou uma convenção em Rio Preto da Eva, reunindo 10 mil pessoas. A professora Socorro Nogueira foi oficializada candidata à prefeitura e João Queiroz a vice. É a primeira vez que uma mulher se candidata à prefeitura no município. O evento contou com a presença de diversas autoridades políticas e mensagens de figuras nacionais.

23/07
12:33

CIDADE CRESCE

Um novo estudo eleitoral divulgado pelo Instituto Pontual Pesquisas nesta segunda-feira (22) revela o crescimento nas intenções de voto do deputado estadual Roberto Cidade (União Brasil) na corrida para a Prefeitura de Manaus nas eleições de 2024. Segundo a pesquisa realizada entre 14 e 18 de julho de 2024, Roberto Cidade, posicionado em terceiro, subiu de 9,0% para 12,8% em comparação com o levantamento anterior de abril deste ano. David Almeida (Avante) lidera com 29,8%, seguido por Amom Mandel (Cidadania) com 25,2%. Alberto Neto (PL) tem 8,5%, em quarto lugar.

Ver mais >>

Programas