AO VIVO
Economia - 25 de fevereiro de 2022
Foto:

Chernobyl: onde fica e por que é importante na guerra Rússia x Ucrânia?

A Ucrânia tinha o terceiro maior arsenal nuclear do mundo, composto por cerca de 1.900 ogivas nucleares, até 1994, quando assinou o Memorando de Budapeste

Por: Redação
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Manaus | AM | Com informações do site UOL

A movimentação da Rússia pode ter aumentado níveis de radiação em Chernobyl é o que afirmou a agência nuclear ucraniana, nesta sexta-feira (25). A usina nuclear, localizada na Ucrânia, foi tomada por militares russos na quinta-feira (24). Mas o que aconteceu com Chernobyl e por que ela é tão importante para o presidente russo Vladimir Putin?.

Chernobyl, a primeira usina nuclear da Ucrânia, começou a ser construída em 1972, com quatro reatores nucleares do tipo RBMK (reatores canalizados de alta potência). Na época, o país ainda era um território da União Sov­­­­­­­­­­­­­­­iética. Depois que as obras terminaram em 1977, a instalação passou a funcionar como as outras usinas nucleares. A localização do centro nuclear é estratégica: fica a 120 quilômetros de Kiev, capital da Ucrânia. Os reatores ficavam próximos da cidade ucraniana Pripyat, que se situa um pouco abaixo da fronteira com a Bielorrússia.

Os reatores funcionavam assim como as panelas de pressão: a fissão de elementos instáveis, como urânio ou plutônio, aquece a água e o vapor produzido move as turbinas conectadas a geradores. A movimentação, chamada de indução eletromagnética, gera correntes elétricas. Até 1986, a usina era responsável por produzir aproximadamente 10% de toda a energia consumida pela Ucrânia.

Mas na madrugada do dia 26 de abril de 1986, um dos reatores da usina nuclear explodiu e causou a morte imediata de quase 30 pessoas. Especialistas apontam que até 30% das 190 toneladas métricas de urânio de Chernobyl foram emitidas na atmosfera. A União Soviética fez a evacuação de 335 mil pessoas, que moravam em um raio aproximado de 30 quilômetros da usina, apenas 36 horas depois da explosão. Foram identificados altos níveis de radiação na Polônia, Áustria, Suécia e Bielorrússia.

O que aconteceu após a explosão?

O acidente foi apontado como umas das razões que contribuíram para o fim da União Soviética. Os impactos econômicos imputados pelo acidente só pioraram a crise econômica que a nação soviética vivia desde a década de 1970. Depois do desastre, os três reatores restantes continuaram operando. Em outubro de 1991, o reator número 2 pegou fogo. Neste mesmo ano, a Ucrânia ganhou independência da União Soviética e o novo parlamento do país decidiu cancelar a operação do segundo reator.

Cinco anos depois, em razão da pressão de governos estrangeiros, o reator número 1 também foi fechado. No final de 2000, o reator número 3 foi encerrado e a usina parou de produzir eletricidade. Desde 2015, os três reatores entraram na fase de descomissionamento, quando só cientistas continuam trabalhando para observar a situação da radiação. “A descontaminação de Chernobyl envolveu uma massa de 1,5 milhão de pessoas, teve um custo altíssimo e acabou em 2017.

O espaço foi lacrado, virou uma espécie de sarcófago e na sequência se transformou em um roteiro turístico”, explica Leonardo Trevisan, professor de geoeconomia internacional da ESPM.

Por que Chernobyl é importante na guerra?

Apesar de não estar mais funcionando, a região da usina foi invadida por militares russos. Segundo Leonardo Paz, analista de inteligência do FGV-NPII (Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional da Fundação Getúlio Vargas), o fator nuclear pode estar por trás da invasão.

A Ucrânia tinha o terceiro maior arsenal nuclear do mundo, composto por cerca de 1.900 ogivas nucleares, até 1994, quando assinou o Memorando de Budapeste. Nele, Kiev abriu mão das bombas nucleares com a garantia de que Estados Unidos, Rússia e o Reino Unido não atacariam suas fronteiras. Recentemente, o presidente ucraniano tentou invocar o memorando para evitar uma invasão russa.

Kiev já havia invocado o cumprimento do Memorando de Budapeste em 2014, quando protestos derrubaram o presidente ucraniano aliado de Moscou, Viktor Yanukovych. Mas a Rússia invadiu e anexou a Crimeia, região da Ucrânia onde fica a base naval russa de Sevastopol e a Frota do Mar Negro. Para o professor de geoeconomia internacional da ESPM, apesar de desativada, a usina é importante também porque representa um símbolo da era soviética.

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

11/07
12:33

REUNIÕES SECRETAS

Executivos da Âmbar Energia, ligada ao Grupo J&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista, realizaram secretamente 17 reuniões com autoridades do Ministério de Minas e Energia entre junho de 2023 e maio de 2024, sem registro oficial. Essas reuniões precederam a assinatura de uma medida provisória pelo presidente Lula em 13 de junho, beneficiando um negócio da Âmbar na energia elétrica, cujo custo será repassado aos consumidores por até 15 anos. O Ministério e a Âmbar negam que as reuniões tenham discutido a medida, mas não divulgaram os temas tratados. Críticas à falta de transparência foram levantadas, especialmente pela deputada Adriana Ventura (Novo-SP).

11/07
12:32

FRACA ARTICULAÇÃO

A aprovação da reforma tributária na Câmara revelou a fraca articulação dos senadores Eduardo Braga e Omar Aziz, que deixaram de incluir a maioria das propostas do Amazonas para a Zona Franca de Manaus (ZFM). O texto foi aprovado por 336 votos a favor e 142 contra. Foram incluídas apenas contribuições para financiar a UEA e fundos de desenvolvimento, além de crédito presumido para indústrias. Alterações cruciais, como a inclusão do IPI e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas. Os parlamentares precisarão trabalhar mais eficientemente no Senado.

11/07
12:31

SILAS CONTRA

A Câmara dos Deputados aprovou o primeiro projeto de regulamentação da reforma tributária com 336 votos a favor, 142 contra e duas abstenções. A maioria dos deputados do Amazonas votou contra devido aos impactos negativos na Zona Franca de Manaus (ZFM), com exceção de Silas Câmara (Republicanos-AM), que apoiou o projeto. Pauderney Avelino (União-AM) criticou a redução do crédito presumido e a falta de alíquota zero para operações internas, alertando sobre o aumento dos preços e a diminuição da competitividade no Amazonas. O próximo desafio será no Senado Federal.

11/07
12:30

DITADURA DA NICARÁGUA

A ditadura de Ortega na Nicarágua fechou a Radio María e mais 12 ONGs, totalizando 3,6 mil entidades fechadas em seis anos. A ministra do Interior, Maria Amelia Coronel, justificou o fechamento da rádio pela falta de demonstrações financeiras de 2019 a 2023. Ortega continua a perseguir a Igreja Católica, expulsando e detendo padres, e cancelando a cidadania de líderes religiosos, forçando-os ao exílio.

11/07
12:29

DEFESA DA ZFM

Wilson Lima, governador do Amazonas, promete lutar incansavelmente pela competitividade da Zona Franca de Manaus (ZFM) após a votação na Câmara dos Deputados que prejudicou o estado. Ele criticou a exclusão de emendas cruciais para o modelo econômico, enquanto duas sugestões foram aceitas, incluindo contribuições para financiar a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e fundos de desenvolvimento, além de créditos presumidos para indústrias. Alterações solicitadas, como a inclusão do IPI para produtos aprovados pela Suframa e crédito presumido para operações internas, foram rejeitadas.

Ver mais >>

Programas