AO VIVO
Economia - 04 de fevereiro de 2022
Foto:

‘As Forças Armadas são as instituições mais democráticas e cumpridoras da lei’, diz atual comandante da Marinha em visita ao AM

O novo comandante da Marinha, almirante de esquadra Almir Garnier Santos veio ao Amazonas para acompanhar uma série de ações de assistência hospitalar

Por: Brendo
Compartilhe

Venha fazer parte do nosso grupo do Whatsapp e receba em primeira mão as notícias do momento!

Clique aqui

Manaus | AM

Na manhã desta sexta-feira (4), durante coletiva de imprensa na sede do 9º Distrito Naval, na capital do Estado, após iniciar agenda no Amazonas para acompanhar ações de assistência hospitalar com navios, na região da tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, o novo comandante da Marinha, almirante de esquadra Almir Garnier Santos, foi questionado pelo site O PODER sobre como as Forças Armadas, em especial a Marinha, encaram o processo democrático.

Segundo analistas políticos, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), faz de ameaças de golpe um estilo de governar e preencheu o Governo Federal de militares. O chefe da Força Naval respondeu que, em sua concepção, as três Forças Armadas – Marinha, Exército e Aeronáutica -, são as instituições mais democráticas e cumpridoras da lei, e que o Brasil não tem como exercer a soberania aos cidadãos sem Forças Armadas “fortes e vigilantes.”

“Acredito que, em primeiro lugar, que a Marinha, o Exército e a Força Aérea são as mais meritocráticas, democráticas e cumpridoras da lei, que conheço. Pode ser que outras instituições tenham o mesmo padrão que o nosso, de se guiar pelo cumprimento da lei, desvios são punidos, nós não temos corporativismo, temos espírito de corpo, que é bem diferente”, disse ele.

E completou: “Então, não vejo nenhuma instituição que pudesse representar melhor o espírito de apoio e de garantia da liberdade, da soberania do País. Um País livre e soberano, como o Brasil, cheio de riquezas, como a nossa Amazônia, não tem como exercer a sua soberania aos seus cidadãos sem Forças Armadas fortes e vigilantes”, declarou o comandante.

Ele também foi questionado pela equipe de reportagem como a Força Naval vai atuar no período eleitoral e se vai resguardar a democracia também. O presidente Bolsonaro defende a implantação do voto impresso auditável. Segundo o presidente, se “não houver eleições limpas, não pode haver eleições”.

O comandante da Marinha respondeu que as Forças Armadas são fundamentais para garantir o direito do cidadão de poder exercer o voto, utilizando como exemplo a geografia e dificuldades logísticas peculiares do Amazonas.

“Tenho condições de dizer que em todas as eleições nós sempre atuamos. Sem as Forças Armadas, aqui mesmo no Amazonas, nós teríamos grandes dificuldades de ter acesso à votação que é um direito universal do cidadão brasileiro, porque as urnas são transportadas com logística nossa, o resultado da apuração, as equipes que fazem o ajuste das urnas, a organização das zona eleitorais, tudo com o nosso apoio”, revelou.

Para ele, a única questão que surgiu esse ano de diferente é uma eventual análise, que até tem sido noticiado na imprensa. “Vamos chamar da lisura do processo por todo o sistema eletrônico de votação, que anda em debate no nosso País. Acho que nós estamos em condições de continuar acreditando que o nosso País é livre e soberano por muito tempo. A Marinha tem 200 anos. Sempre garantiu essa soberania e continuará garantindo nos próximos séculos”, reforçou.

Ao questionar novamente sobre a conjuntura atual e se as falas de Bolsonaro incomodavam as Forças Armadas, a coletiva foi encerrada pela assessoria de imprensa, sob a justificativa de que foi combinado apenas uma pergunta para cada veículo de comunicação.

Mudanças

Em 30 de março de 2021, os comandantes do Exército, Edson Pujol; da Marinha, Ilques Barbosa; e da Aeronáutica, Antônio Carlos Moretti Bermudez, pediram renúncia coletiva por discordarem do presidente Bolsonaro. Foi a primeira saída em bloco, do tipo, desde 1985, quando terminou a ditadura militar.

Segundo analistas políticos, Bolsonaro cobrava manifestações políticas de acordo com as ideologias do seu governo e defendia decretar estado de defesa para impedir lockdowns nos estados brasileiros em meio à crise sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em abril do ano passado, o presidente disse que o Brasil estava no “limite” e que esperava um “sinal’ da população para tomar providência. As mudanças nos comandos das Forças Armadas aconteceram também um dia depois de o presidente demitir Fernando Azevedo, que estava à frente do Ministério da Defesa. Os novos comandantes das Forças Armadas escolhidos foram: Paulo Sérgio (Exército), Almir Garnier (Marinha) e Baptista Júnior (FAB).

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notas do Poder

18/07
14:40

CUSTA PROCESSUAIS

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) fixou uma tese em um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) sobre o recolhimento de custas processuais para citação em processos judiciais. A tese estabelece que a falta de pagamento das custas necessárias à citação configura ausência de pressuposto para o desenvolvimento regular do processo, permitindo sua extinção caso não haja regularização dentro do prazo estabelecido, sem necessidade de prévia intimação pessoal do autor. A decisão visa uniformizar o entendimento e garantir a segurança jurídica no TJAM.

18/07
14:38

PROJETO DE DÉBORA

A deputada estadual Débora Menezes apresentou o Projeto de Lei 372/2024 para fixar o critério do sexo biológico em testes físicos ou práticos de concursos públicos no Amazonas, visando garantir o princípio da isonomia. Segundo a proposta, os candidatos competiriam apenas com pessoas do mesmo sexo biológico nessas etapas, mantendo a concorrência justa sem interferir nas provas teóricas. Débora argumenta que isso preservaria a integridade das competições e evitaria desigualdades decorrentes de diferenças fisiológicas entre homens e mulheres.

18/07
14:37

“ESCOLA DA FLORESTA”

Nesta terça-feira, o governador Wilson Lima inaugurou a primeira Escola da Floresta do Brasil na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, no interior do estado. A escola adota um conceito de sustentabilidade integral e um currículo inovador focado em educação ambiental. Lima enfatizou a importância de cuidar das comunidades locais para proteger a Amazônia, destacando a iniciativa como um modelo inspirador de desenvolvimento sustentável e educação integrada à conservação ambiental.

18/07
14:36

AUXÍLIO DO GOVERNO

O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou nesta terça-feira, o valor de R$ 30 mil como auxílio para reposição de moradias de cada uma das 18 famílias afetadas por um incêndio de grandes proporções no município de Nhamundá, no interior do estado. O sinistro, ocorrido na madrugada de segunda-feira, atingiu 14 residências e deixou 69 pessoas desabrigadas. O auxílio será pago por meio do programa Amazonas Meu Lar.

17/07
13:33

FOMENTO

O governador Wilson Lima assinou um protocolo de intenções com o Banco da Amazônia para impulsionar o setor primário e o empreendedorismo no Amazonas, com investimentos previstos de R$ 1,4 bilhão do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A iniciativa reforça o compromisso do governo com o desenvolvimento sustentável do estado, focando no apoio à agricultura familiar e outros setores produtivos.

Ver mais >>

Programas